skip to main content
Tipo de recurso Mostra resultados com: Mostra resultados com: Índice

Perfil antropológico das ossadas analisadas no Centro de Medicina Legal (CEMEL) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP

Soares, Andjara Thiane Cury

Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto 2008-02-11

Acesso online. A biblioteca também possui exemplares impressos.

  • Título:
    Perfil antropológico das ossadas analisadas no Centro de Medicina Legal (CEMEL) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP
  • Autor: Soares, Andjara Thiane Cury
  • Orientador: Guimarães, Marco Aurelio
  • Assuntos: Antropologia Forense; Ossos; Ossadas; Medicina Legal; Identificação Humana; Legal Medicine; Human Identification; Forensic Anthropology; Bones; Skeletons
  • Notas: Dissertação (Mestrado)
  • Descrição: SOARES, A.T.C. Perfil antropológico das ossadas analisadas no Centro de Medicina Legal (CEMEL) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP. 2007. 169 p. Dissertação (Mestrado) Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, 2007. A Antropologia Forense é uma área do conhecimento que aplica os métodos da antropologia física e arqueologia para coleta e análise de evidências legais, buscando estabelecer a identidade de um ser. O Centro de Medicina Legal (CEMEL) da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP) possui um Laboratório de Antropologia Forense, criado em 2005 durante o desenvolvimento de um projeto em parceria com a University of Sheffield (UK) e financiado pelo British Foreign and Commonwealth Office Global Opportunities Fund. Durante esse projeto, um protocolo para análise de ossadas foi implementado dentro de uma estrutura científica atualizada para aplicação em contextos de importância social. Após dois anos de funcionamento, constatou-se que muitas das ossadas encaminhadas ao CEMEL estavam incompletas, tornando a realização de um perfil biológico difícil e postergando a sua identificação devido à ausência de informações e literatura nacional recente sobre Antropologia Forense. Assim, 42 ossadas humanas examinadas no CEMEL desde sua inauguração em 1999 foram analisadas e revisadas. Os resultados mostraram que a maioria dos casos era de indivíduos do sexo masculino, de ancestralidade caucasiana, com idade entre 32,71 e 46,29 anos, estatura entre 1,64 e 1,73m, destros, sem achados patológicos, com elementos odontológicos informativos, mas sem roupas ou outros pertences. Observou-se que 61,90% das ossadas possuíam menos de 50% dos ossos, com média de 79,64±52,40 ossos por caso. Os ossos mais encaminhados foram occipital, parietal esquerdo, temporal esquerdo, parietal direito, temporal direito, fêmur direito e vértebras torácicas de um a 12. Os ossos menos encaminhados foram hióide, piramidal esquerdo, falange distal superior um direita, falanges distais superiores dois a cinco direitas e falanges médias superiores dois a cinco esquerdas. Os dentes mais encaminhados foram o 2º molar superior direito e o 1º molar superior direito, enquanto que os dentes menos encaminhados foram o incisivo central superior direito, os incisivos centrais inferiores direito e esquerdo. Roupas e outros pertences estavam presentes em 20 casos, totalizando 66 itens. Trinta e um casos têm potencial para identificação somente através de técnicas de Antropologia Forense. Para os demais 11 casos provavelmente será necessário utilizar DNA para identificação. Diante dos resultados observados, discute-se a necessidade de melhorias na capacitação técnica e infra-estrutura, assim como a forma de coleta e o transporte, de forma a aumentar o número de elementos ósseos coletados e, conseqüentemente, de informações úteis para identificação. Dois crânios apresentaram evidência de craniotomia realizada durante necropsia e um apresentou resíduos de vela, o que sugere que podem ter sido retirados indevidamente do local de sepultamento, ou até mesmo vendidos, além da sua utilização em rituais religiosos. Conclui-se que campanhas de conscientização e melhorias na fiscalização dos cemitérios podem reduzir os casos de roubos e comércio de elementos ósseos.
  • DOI: 10.11606/D.17.2008.tde-13012009-172238
  • Editor: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Data de publicação: 2008-02-11
  • Formato: Adobe PDF
  • Idioma: Português

Buscando em bases de dados remotas. Favor aguardar.