skip to main content

Taxtomina A no controle dos vírus do mosaico do pepino e do mosaico amarelo em abobrinha de moita e da podridão mole (Rhizopus stolonifer) em uva

Luiz Rafael Pinto Sergio Florentino Pascholati

2013

Localização: ESALQ - Biblioteca Central    (PINTO, L. R. )(Acessar)

  • Título:
    Taxtomina A no controle dos vírus do mosaico do pepino e do mosaico amarelo em abobrinha de moita e da podridão mole (Rhizopus stolonifer) em uva
  • Autor: Luiz Rafael Pinto
  • Sergio Florentino Pascholati
  • Assuntos: TOXINAS; ABOBRINHA; PEPINO; VÍRUS DE PLANTAS; PODRIDÃO (DOENÇA DE PLANTA); FUNGOS FITOPATOGÊNICOS; Controle Alternativo; Fitotoxinas
  • Notas: Dissertação (Mestrado)
  • Descrição: Existe uma crescente demanda por alternativas de controle de doenças para se reduzir o uso do controle químico, como por exemplo, o estudo da indução de resistência em plantas, através de fitotoxinas como a taxtomina A e outras substâncias. O vírus do mosaico do pepino (Cucumber mosaic virus - CMV) e o vírus do mosaico amarelo da abobrinha (Zucchini yellow mosaic virus - ZYMV) têm causado grandes prejuízos em culturas importantes, assim como o fungo Rhizopus stolonifer, que pode atacar diversos hospedeiros. Este trabalho foi conduzido com o objetivo de se avaliar os efeitos do uso da taxtomina A como indutor de resistência em plantas. Como resultado preliminar a produção de taxtomina A pode ser aumentada utilizando-se como fonte de inóculo amostra de uma cultura liquida pré-estabelecida de Streptomyces scabies. Foram testados a aspersão de taxtomina A em plantas de abobrinha de moita, para se avaliar a proteção contras os vírus CMV e ZYMV. Também foi aspergida taxtomina A em bagas de uva \"Itália\" para se avaliar o desenvolvimento da podridão pós-colheita causada por R. stolonifer. As plantas de abobrinha de moita, mantidas em casa de vegetação, tratadas com taxtomina A não apresentaram sintomas de mosaico característico do CMV. O teste ELISA apresentou resultados negativos indicando a não presença de partículas virais em níveis detectáveis nas plantas. Com relação ao ZYMV, a taxtomina A não foi capaz de controlar o desenvolvimento da doença, pois apareceram sintomas em
    todas as plantas. A taxtomina A apresentou efeito in vitro sobre R. stolonifer retardando o crescimento do fungo principalmente nas duas maiores concentrações usadas. Porém, a aplicação de taxtomina A não foi capaz de proteger as bagas de uva contra o patógeno. Finalizando a taxtomina A foi capaz de controlar em 100% a incidência de CMV em abobrinha, porém não foi capaz de controlar o ZYMV em abobrinha e a podridão nas uvas causada por R. stolonifer
  • Data de publicação: 2013
  • Formato: 62 p.
  • Idioma: Português

Buscando em bases de dados remotas. Favor aguardar.