skip to main content

Equinos como hospedeiros de Leishmania spp. e estudo da fauna de flebotomíneos nos municípios de Andradina e Ilha Solteira, estado de São Paulo

Spada, Julio César Pereira

Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia 2019-07-19

Acesso online. A biblioteca também possui exemplares impressos.

  • Título:
    Equinos como hospedeiros de Leishmania spp. e estudo da fauna de flebotomíneos nos municípios de Andradina e Ilha Solteira, estado de São Paulo
  • Autor: Spada, Julio César Pereira
  • Orientador: Oliveira, Trícia Maria Ferreira de Sousa
  • Assuntos: Rifi; Lutzomyia (Lutzomyia) Longipalpis; Pcr; Elisa; Leishmaniose; Pcr; Leishmaniasis; Ifat; Elisa; Lutzomyia (Lutzomyia) Longipalpis
  • Notas: Tese (Doutorado)
  • Descrição: Objetivou-se a detecção de DNA e anticorpos anti-Leishmania spp. em equinos e levantamento da fauna de flebotomíneos nos municípios de Andradina e Ilha Solteira, São Paulo. Para isso, 235 equinos provenientes de Andradina, Araçatuba, Bauru e Ilha Solteira passaram por exames clínicos e laboratoriais. Os flebotomíneos foram coletados de janeiro de 2017 a dezembro de 2018, por meio de armadilha do tipo CDC (Center for Disease Control and Prevention) onde 6 armadilhas foram instaladas em Andradina e 6 em Ilha Solteira. As coletas foram realizadas mensalmente durante três dias consecutivos. Nos equinos, pelo ensaio imunoenzimático (ELISA) foi constatada soropositividade de 60,6% (137/226) e pela técnica da Reação de Imunofluorescência Indireta (RIFI), soropositividade de 89,4% (202/226). Pela PCR convencional (cPCR) utilizando o primer 13A/13B avaliando amostras do sangue (cPCR-SG), constatou-se 3,4% (8/235) de positivos, já na avaliação do suabe conjuntival (cPCR-SC), 2,5% (6/235) foram positivos Não foram encontrados animais positivos avaliados pelo cPCR utilizando o primer LIT5R/L5-8S (ITS-1). Na correlação de animais positivos com os achados hematológicos e bioquímicos, houve correlação no aumento da concentração plasmática de globulinas e diminuição de albuminas no grupo de animais positivos. Já na correlação entre a soropositividade dos cavalos e contato com cães com leishmaniose visceral e soropositividade compresença de lesão dermatológica não encontramos correlação. Em relação aos flebotomíneos, a densidade total foi de 64 machos e 50 fêmeas capturados em Ilha Solteira e 32 machos e 16 fêmeas em Andradina. Quando realizada a caracterização da espécie, em Andradina foram identificadas 6 espécies distintas de flebotomíneos e Ilha Solteira 11 espécies, dentre todas se destacando a maior densidade de Lu. (Lu) longipalpis, 43,75% e 28,10% em ambos os municípios respectivamente. Os resultados da presente pesquisa alertam para a presença de equinos infectados em áreas endêmicas, bem como da presença ativa de vetores incriminados na transmissão das leishmanioses nos locais estudados.
  • DOI: 10.11606/T.10.2020.tde-29112019-110149
  • Editor: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
  • Data de publicação: 2019-07-19
  • Formato: Adobe PDF
  • Idioma: Português

Buscando em bases de dados remotas. Favor aguardar.