skip to main content

A biogeoquímica do Rio Ji-Paraná, Rondônia.

Leite, Nei Kavaguichi

Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Ecologia de Agroecossistemas 2004-04-20

Acesso online. A biblioteca também possui exemplares impressos.

  • Título:
    A biogeoquímica do Rio Ji-Paraná, Rondônia.
  • Autor: Leite, Nei Kavaguichi
  • Orientador: Krusche, Alex Vladimir
  • Assuntos: Água; Usos Do Solo; Rios; Impacto Ambiental; Ecologia Aplicada; Cobertura Do Solo; Biogeoquímica; Bacia Hidrográfica; Biogeochemistry; Land Cover; Land Use; Environmental Impact; Rivers; Applied Ecology; Water; Watershed
  • Notas: Dissertação (Mestrado)
  • Notas Locais: Programa Interunidades em Ecologia Aplicada ESALQ/CENA
  • Descrição: As mudanças no uso da terra que ocorreram no estado de Rondônia nas últimas décadas transformaram a paisagem da região. Especialmente ao longo da BR-364, o que antes era constituído quase que exclusivamente por florestas, hoje apresenta extensas áreas cobertas por pastagens, com impactos ainda desconhecidos no ambiente aquático. O presente trabalho procurou identificar a importância relativa das características naturais e antrópicas da bacia de drenagem na biogeoquímica das águas do rio Ji-Paraná e seus principais tributários, levando-se em consideração que a composição química de um rio reflete os processos que ocorrem em sua bacia de drenagem. Para isto, foi utilizada uma abordagem comparativa, na qual se avaliaram as diferenças entre sistemas com distintos usos e cobertura do solo, além das variações sazonais ao longo do período de estudo (1999-2002). Em relação às variações espaciais, as menores concentrações de analitos foram encontradas nos rios drenando áreas com solos mais arenosos e menor fertilidade, enquanto as maiores foram encontradas nos rios localizados na região central da bacia, com os solos mais argilosos e férteis. Em relação às variações temporais, observou-se que os rios em cujas bacias predominam florestas apresentaram correlações positivas entre a descarga e as concentrações de íons, enquanto que, para os rios em cujas bacias predominam pastagens, apesar de apresentarem correlação, esta foi negativa. Estes resultados poderiam indicar um controle da química destas águas apenas por processos naturais. Entretanto, analisando as variações dos nutrientes C, N e P, observou-se que a presença humana já começa a influenciar a biogeoquímica destes rios.
  • DOI: 10.11606/D.91.2004.tde-29072004-162959
  • Editor: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Ecologia de Agroecossistemas
  • Data de publicação: 2004-04-20
  • Formato: Adobe PDF
  • Idioma: Português

Buscando em bases de dados remotas. Favor aguardar.