skip to main content

Ocupações humanas pré-históricas no litoral maranhense: um estudo arqueológico sobre o sambaqui do Bacanga na ilha de São Luís - Maranhão

Bandeira, Arkley Marques

Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Museu de Arqueologia e Etnologia 2008-05-30

Acesso online. A biblioteca também possui exemplares impressos.

  • Título:
    Ocupações humanas pré-históricas no litoral maranhense: um estudo arqueológico sobre o sambaqui do Bacanga na ilha de São Luís - Maranhão
  • Autor: Bandeira, Arkley Marques
  • Orientador: Alves, Marcia Angelina
  • Assuntos: Arqueologia Da Paisagem; Cerâmica; São Luís-Ma; Cronologia; Estratigrafia; Sambaqui; São Luís; Landscape Archaeology; Chronology Ceramics; Shell Mounds
  • Notas: Dissertação (Mestrado)
  • Descrição: A presente dissertação discorre sobre a ocupação pré-histórica da Ilha de São Luís-Maranhão, a partir do estudo arqueológico realizado no sambaqui do Bacanga, que evidenciou vestígios materiais de populações pescadoras- coletoras- caçadoras e ceramistas, que se estabeleceram na região, em torno de 6.600 anos antes do presente e permaneceram habitando esse assentamento até o ano 900 antes do presente. A pesquisa em questão, pautada nos pressupostos teórico-metodológicos da Arqueologia da Paisagem e da Antropologia das Técnicas, aglutinou uma gama de especialidades, que se envolveram na datação de material arqueológico, na análise técnica da cerâmica, na identificação dos vestígios arqueofaunísticos, no levantamento topográfico, altimétrico e na execução de plantas e desenhos da distribuição espacial dos vestígios, bem como na caracterização geoambiental, além da própria análise dos dados arqueológicos, principalmente o material cerâmico. A descrição, interpretação e a correlação das informações obtidas no sambaqui do Bacanga permitiram construir conhecimento inédito sobre os processos ocorridos na préhistória da Ilha de São Luís, ao atestar a existência e permanência, por um longo período de tempo, de populações pescadoras- coletoras- caçadoras e ceramistas adaptadas a ambiente estuarino-marinho, cuja dieta envolvia a captura de uma variedade de animais e a coleta de algumas espécies vegetais, mas que contudo, encontrava a sua base de sustentação na pesca e na utilização de crustáceos e moluscos como alimentos. O foco da análise centrou-se na investigação do modo de vida de tais populações, a partir da caracterização técnica e tipológica da cerâmica, uma vez que a presença desse tipo de evidência em sambaquis tem sua área geográfica bastante circunscrita no Brasil, envolvendo majoritariamente algumas regiões do Pará, Maranhão e em menor escala Sergipe e Bahia. Além disso, um aspecto de fundamental importância para arqueologia brasileira e que não se obteve paralelo na literatura analisada relacionou-se à descoberta de um assentamento ceramista pré-sambaqui, cuja localização era a mesma do sambaqui do Bacanga, estando situado nas camadas mais antigas de ocupação, algo entre 6.600 a 5.500 anos antes do presente, com grande concentração de cerâmica, sem, no entanto, apresentar o acúmulo de restos alimentares nos pisos de ocupação. Ao passo que as populações pescadoras- coletoras- caçadoras e ceramistas do sambaqui propriamente dito, assentaram-se entre 5.000 a 900 anos antes do presente. Em síntese, a inserção do sítio em questão, nas escalas espaciais, temporais e ambientais, bem como o estudo dos vestígios arqueológicos estabeleceram parâmetros pioneiros para que futuras pesquisas no Maranhão encontrem referenciais de suporte e levem em consideração a história de longa duração dos primeiros povoadores da Ilha de São Luís.
  • DOI: 10.11606/D.71.2008.tde-26092008-145347
  • Editor: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Museu de Arqueologia e Etnologia
  • Data de publicação: 2008-05-30
  • Formato: Adobe PDF
  • Idioma: Português

Buscando em bases de dados remotas. Favor aguardar.