skip to main content

Terra privada, vida devoluta: ordenamento fundiário e destinação de terras públicas no oeste do Pará

Torres, Mauricio Gonsalves

Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas 2012-09-26

Acesso online. A biblioteca também possui exemplares impressos.

  • Título:
    Terra privada, vida devoluta: ordenamento fundiário e destinação de terras públicas no oeste do Pará
  • Autor: Torres, Mauricio Gonsalves
  • Orientador: Oliveira, Ariovaldo Umbelino de
  • Assuntos: Unidades De Conservação; Reforma Agrária; Grilagem; Destinação De Terras Públicas; Amazônia-Pará; Destination Of Public Lands; Conservation Areas; Land Grabbing; Land Reform; Amazonia Pará State
  • Notas: Tese (Doutorado)
  • Notas Locais: Versão corrigida
  • Descrição: Na Amazônia, as políticas de destinação de terras públicas constroem-se a partir de aparelhamentos jurídicos que, comumente, sinalizam a situações bastante alheias aos camponeses e outras populações que ocupam a região. Historicamente, tais políticas tendem a se delinear em favor da construção das condições formais para a apropriação privada da terra pelo grande capital. Por outro lado, apresentam pouca e algumas vezes nenhuma vocação para dar conta da diversidade social e cultural das ocupações camponesas. O atuar desse aparelho jurídico e político, entretanto, não é linear, mas produtor de movimentos contraditórios, abrindo condições para recriação e reprodução das possibilidades de acesso à terra a posseiros, quilombolas, ribeirinhos, varjeiros, beiradeiros e diversos outros grupos da floresta. Esta pesquisa trata essencialmente dos caminhos e descaminhos das políticas de destinação de terras públicas na Amazônia, em especial, no oeste paraense. Pretende entender os processos que as engendram, suas diversas modalidades e suas contradições inerentes. Especial atenção é dada à prática ainda em voga de se entregar terra e recursos ao capital sob discursos sociais. Mais precisamente, ao estudo de como, pela implementação abrupta de uma gigantesca área de assentamentos de reforma agrária, serviuse, não aos clientes da reforma agrária, mas a madeireiros, grileiros e à fabricação de números fictícios para os índices de famílias assentadas.
  • DOI: 10.11606/T.8.2012.tde-14012013-155757
  • Editor: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
  • Data de publicação: 2012-09-26
  • Formato: Adobe PDF
  • Idioma: Português

Buscando em bases de dados remotas. Favor aguardar.