skip to main content

Entre a espera e a jornada: as representações do feminino na literatura infantil brasileira como metáfora social

Ramos, Samira Dos Santos

Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas 2016-10-14

Acesso online. A biblioteca também possui exemplares impressos.

  • Título:
    Entre a espera e a jornada: as representações do feminino na literatura infantil brasileira como metáfora social
  • Autor: Ramos, Samira Dos Santos
  • Orientador: Gregorin Filho, Jose Nicolau
  • Assuntos: Comparatismo Literário; Contos De Fadas; Representação; Relações De Gênero; Literatura Infantil; Childrens Literature; Literary Comparatism; Genders Relations; Fairy Tales; Representation
  • Notas: Dissertação (Mestrado)
  • Notas Locais: Versão corrigida
  • Descrição: A presente dissertação está inserida na área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa e tem como objetivo constatar que elementos literários permitem a contribuição da Literatura Infantil para a formação de espírito sobre o feminino em determinada época, em obras que se apropriam do conto popular Forma literária legitimada como transmissora de valores para desenvolver a consciência crítica do leitor, através do questionamento, validação e de divulgação de novas proposições de valores. Para tanto, realizou-se uma análise comparativa de obras que tinham como protagonista a figura de uma jovem princesa que se preparava para a vida adulta através de uma jornada em busca da própria identidade. Os corpora são A rainha e as irmãs, conto popular recolhido por Câmara Cascudo presente na obra Contos Tradicionais do Brasil (1955), Procurando Firme (1984) de Ruth Rocha e Uma, duas, três princesas (2013) de Ana Maria Machado. Para dar suporte à análise, verificamos teorias que justificassem afirmar que a função social, a linguagem, a ética interna e a possibilidade de atualização do conto popular o configuram como um texto que, legitimado pela comunidade que o recebe, torna possível a transmissão de valores abstratos. Para entender como a literatura infantil se apropriou do conto popular, investigamos as relações entre a mentalidade do homem primitivo e da criança e suas aproximações quanto à percepção da realidade. Situamos as obras em um contexto histórico-social, problematizando a literatura infantil em meio às mudanças de paradigmas e mentalidade em nossa sociedade, que terminam por influenciar na representação do feminino. Os valores considerados femininos foram abordados em perspectiva histórica e do estudo de gêneros. Justificamos a escolha das obras investigando as relações entre a saga do herói e os ritos masculinos e femininos de iniciação à vida adulta, com intenção de compreender em qual medida essa jornada pode ser considerada uma metáfora da condição humana. Apresentamos e comentamos um panorama de obras do século XX no Brasil em que há a figura da princesa. Na análise dos corpora, comparamos as relações entre a figura da princesa e a família, a preparação para a jornada e os aspectos valorizados em cada jornada. Consideramos que as narrativas acompanham o discurso sobre o feminino em cada época e projetam-se sobre a prática da geração seguinte, transpondo a representação da mulher como um indivíduo para transfigurar-se em uma metáfora da condição feminina na sociedade.
  • DOI: 10.11606/D.8.2017.tde-31032017-093301
  • Editor: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP; Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
  • Data de criação/publicação: 2016-10-14
  • Formato: Adobe PDF
  • Idioma: Português

Buscando em bases de dados remotas. Favor aguardar.